Sobre George R. R. Martin

Por Felipe Bini.


George R. R. Martin na TusCon, em 2016. Foto: Gage Skidmore. Fonte: Wikimedia Commons.

George R. R. Martin nasceu em em 20 de setembro de 1948, em Bayonne, Nova Jersey, Estados Unidos. Filho do estivador Raymond e de sua esposa Margaret, tem duas irmãs mais novas, Darleen e Janet. Depois que a família se mudou da Broadway para um conjunto habitacional perto das docas de Bayonne, George passou a infância em um espaço muito pequeno, e a forma que encontrou para viajar foi através da leitura. O pequeno George escrevia histórias de monstros e as vendia para outras crianças, e criou um reino mítico habitado por suas tartarugas de estimação (que matavam umas às outras em “tramas sinistras”).

Na Marist High School de Bayonne, George se tornou um fã de quadrinhos, especialmente os da Marvel Comics. Teve cartas publicadas em algumas edições de Fantastic Four, e através dessas correspondências, entrou em contato com outros fãs e passou a escrever em fanzines. Formou-se em jornalismo pela Medill School da Universidade Northwestern, no Illinois, em 1970. No mesmo ano também vendeu sua primeira história profissionalmente: O Herói. Martin foi um objetor de consciência da Guerra do Vietnã, e fez serviço alternativo por dois anos.

Na década de 1970, Martin organizava torneios de xadrez e deu aulas na Universidade Clarke, em Iowa. Apesar de ter publicado histórias profissionalmente durante os anos 1970, George ainda não era um escritor em tempo integral. A mudança definitiva para essa profissão aconteceu em 1979, quando ele se mudou para Santa Fe, no Novo México (onde reside atualmente). Nesse ano, também divorciou-se de Gale Burnick, com quem se casara em 1975.

O autor flertou com a fantasia em suas primeiras tentativas de escrita, mas quando começou a escrever profissionalmente, na década de 1970, a ficção científica era predominante em suas obras. Na década de 1980, o romance de vampiros Sonho Febril elevou Martin a um patamar superior de sucesso. The Armageddon Rag, o livro que deveria lançá-lo de vez ao estrelato, teve o efeito inverso, porém. Por suas baixas vendas, o romance quase acabou com a carreira literária de George, e o fez procurar uma alternativa. Foi nessa época também que o autor começou sua duradoura relação com Parris McBride.

Na segunda metade da década de 1980, Martin passou a trabalhar principalmente como roteirista em Hollywood, ganhando notoriedade por The Twilight ZoneBeauty and the Beast. Ainda assim, não abandonou totalmente a literatura, lançando a coletânea Tuf Voyaging e começando a publicar o universo compartilhado de Wild Cards no período. No começo dos anos 1990, porém, ele resolveu voltar à literatura de vez. O plano era escrever o épico Avalon, que, apesar do nome, não teria a ver com mítica ilha da lenda arturiana, sendo ambientado nos Mil Mundos. É nesse momento, em 1991 que surgem As Crônicas e Gelo e Fogo, cujo primeiro volume foi publicado em 1996.

Nas últimas duas décadas, além de escrever os romances das Crônicas de Gelo e Fogo, George continuou editando novos volumes de Wild Cards, além de algumas antologias em conjunto com outros autores. Em 2007, a HBO comprou os direitos de adaptação das Crônicas de Gelo e Fogo, e a série de TV Game of Thrones estreou em 2011. O autor teve um papel consultivo na adaptação, e roteirizou um episódio em cada uma das quatro primeiras temporadas. A série televisiva catapultou Martin ao status de escritor popstar mundial, chegando a ser listado pela revista Time como uma das 100 pessoas mais influentes do planeta. Em 2011, George se casou com Parris, sua companheira de várias décadas.

Reprodução da assinatura de George R. R. Martin. Via Wikipedia.