Nesta semana, Game of Thrones é tema da matéria de capa da revista Entertainment Weekly, como noticiamos anteriormente. Em seu tradicional artigo sobre a nova (e desta vez, última) temporada da série, o jornalista James Hibberd revela detalhes interessantes sobre as gravações, e compartilha pistas do que os fãs da obra podem esperar dos seis episódios finais que foram preparados para a história.

Ilustração de Francesco Francavilla para a EW

A equipe da EW visitou os estúdios da série na Irlanda do Norte em março de 2018. Destacaremos os principais pontos levantados a seguir.

Parte das revelações noticiadas na matéria já eram conhecidas por grande parte dos fãs da série. Mas para quem evitou saber mais do que deveria durante o período de filmagens, eis o que você precisa (ou pode) saber.

A ideia inicial sobre o final de Game of Thrones

No inicio do artigo, a revista nos convida a viajar de volta para setembro de 2012, durante as filmagens da terceira temporada da série, para um relato nunca antes revelado.

O jornalista conta que, há seis anos, David Benioff e Dan Weiss estavam preocupados com o futuro da série, já que até aquela ocasião, não haviam sido sinceros com a HBO sobre a maneira com que a história seria dirigida até seu desfecho. Isso porque Game of Thrones havia sido encomendada como uma série que, embora fosse inspirada nestes livros de fantasia, tratava-se de um enredo sobre relações humanas, sobre personagens.

No entanto, as coisas passaram a ficar mais complicadas a partir do terceiro livro de George R. R. Martin, e os elementos de fantasia pediam mais espaço na trama. Com isso, o trabalho dos produtores ficaria muito mais complexo. O episódio final, de acordo com o artigo, era “impossível de ser realizado” na concepção que Benioff e Weiss tinham em 2012.

George R. R. Martin teria revelado à dupla, na ocasião, parte das grandes tramas que desenhariam o fim de As Crônicas de Gelo e Fogo, incluindo a descrição de uma batalha final épica que, segundo Hibberd, havia sido sugerida desde a primeira cena da série. Mas este confronto final estava fora do alcance de uma série que, até então, custava cerca de 5 milhões de dólares por episódio, em média.

Preparando-se para realizar as cenas da terceira temporada, Benioff confidenciou a Hibberd que tinha um orçamento muito generoso da HBO, mas que aos poucos a grana não seria generosa o suficiente.

Então, os produtores tiveram uma ideia: a temporada final poderia ter seis horas de duração, e ser lançada como três filmes nos cinemas – inspirando-se em O Senhor dos Anéi. Não era o desejo dos showrunners transformar Game of Thrones em filmes, mas parecia ser a única maneira de obter o tempo e o dinheiro necessários para filmar o finale.

A HBO, porém, jamais abriria mão de servir seus assinantes, e fez de tudo para manter Game of Thrones como um produto exclusivo de exibição nas plataformas da empresa. Assim, a ideia do filme foi desconsiderada (embora tenha sido tema de rumores durante muito tempo), e o canal garantiu que Benioff e Weiss teriam o investimento necessário para produzir a parte derradeira da história que começaram a contar em 2011.

E aqui estamos: a oitava temporada de Game of Thrones tem orçamento de mais de 15 milhões do dólares por cada um dos seis episódios que serão exibidos em 2019. Com ela, a promessa de uma temporada que será um grande evento. Segundo o relato, pela primeira vez, eles tiveram o luxo de levar vários dias realizando as cenas que poderiam ter levado um dia para ser construídas em temporadas anteriores.

A escolha de encerrar os trabalhos com apenas seis episódios é, de acordo com os produtores, resultado de um projeto que deu muito certo, e que está saindo de cena em seu ápice. No entanto, Benioff confessa:

Há o velho ditado sobre sempre deixar o público querendo mais, mas acredito que as coisas começam a desmoronar quando você não quer mais estar lá. Você não quer f*oder tudo.

Cena inicial da oitava temporada

O artigo revela que a oitava temporada começa em Winterfell, com um episódio que contém muitas referências ao primeiro episódio da 1ª temporada. Mas no lugar da comitiva da chegada de Robert Baratheon, veremos Daenerys e seu exército. O que se segue, de acordo com Hibberd, é um entrelaçamento emocionante e tenso de personagens – alguns dos quais nunca se encontraram antes, muitos com histórias confusas demais – enquanto todos se preparam para enfrentar a inevitável invasão do Exército dos Mortos.

A maneira como esses personagens se relacionam impulsiona grande parte do drama desta temporada, incluindo aquele que já foi revelado pela própria HBO: Sansa não estará muito entusiasmada por Jon ter se ajoelhado para a rainha Targaryen – pelo menos a princípio.

Dramas e batalhas

Ainda de acordo com Hibberd, a tensão entre os personagens culminará no confronto dos vivos contra o Exército dos Mortos, que deve ser uma das sequência de ação mais impressionantes já feitas para a televisão e cinema. Em apenas um episódio  – o mesmo que fez Benioff e Weiss perderem a cabeça há tantos anos – é ação do começo ao fim, cortesia do diretor Miguel Sapochnik.

No começo do ano, um membro da equipe revelou que a HBO havia realizado 55 filmagens noturnas para produzir cenas de uma batalha. Sites no mundo todo publicaram histórias dizendo que esta batalha teria levado o dobro do tempo que a HBO investiu na Batalha dos Bastardos da 6ª temporada.

Mas a EW revela que esse relato subestima o que realmente aconteceu: As 55 noites foram apenas para as cenas externas da batalha no set de Winterfell. As filmagens ainda teriam seguido para os estúdios, onde Sapochnik continuou a rodar a mesma batalha por semanas a fio.

A batalha também não tem apenas um foco, mas intercala vários personagens envolvidos em suas próprias histórias de sobrevivência, cada um com sua especificidade. Benioff explica:

Parte do nosso desafio, na verdade o desafio de Miguel, é como manter isso convincente… estamos construindo isso desde o começo, são os vivos contra os mortos, e você não pode resolver isso em 12 minutos.

Para ajudá-lo, a produção expandiu o cenário usado como castelo de Winterfell, acrescentando imponentes detalhes e cenários exteriores, um pátio maior, e mais aposentos e baluartes interligados. Hibberd diz que passear pela nova Winterfell é como passear por um resort medieval imersivo. Vale lembrar que, em breve, você também poderá realizar sua peregrinação.

O episódio final da oitava temporada

Visitando os trabalhos para o sexto episódio da última temporada de Game of Thrones, Hibberd expõe detalhes curiosos:

Eu olho ao redor de um cenário meticulosamente construído que eu nunca vi na série antes. Vários atores presentes, e estou atordoado: terão personagens no episódios final que eu não esperava. Gradualmente começo a juntar o que aconteceu em Westeros nos cinco episódios anteriores e tento não demonstrar que estou enlouquecendo.

Não há absolutamente nada mais que possa ser dito sobre essa cena neste momento.

Para ler o artigo original, visite o site da EW.


A oitava temporada de Game of Thrones estreia em algum momento durante o primeiro semestre de 2019.